Região produtora

Nossos cafés são produzidos na Serra da Mantiqueira, em altitudes entre 1.100 e 1.450 metros.

O café é plantado a partir das melhores mudas produzidas em viveiros e selecionadas para gerar árvores sadias e resistentes. Este plantio é feito nas áreas mais nobres e valorizadas da fazenda com espaços projetados que permitem um bom crescimento e manutenção das árvores, do solo e da colheita.

A cafeicultura de montanha é uma das culturas que mais gera empregos, devido ao cuidado que exige durante todo o ano e que se intensifica durante a colheita, já que, nestas áreas, a colheita é sempre manual, não sendo possível o uso de colheitadeiras. Dois anos após o plantio o cafezal já produz seus primeiros frutos e essa mesma planta pode durar décadas se bem cuidada.

NOSSOS CAFÉS

Os cafés originários da região da Serra da Mantiqueira, mais conhecida como Mantiqueira de Minas (primeira e única região do país a ter o selo de Indicação de procedência), reúne características únicas e raras para a produção de cafés de alta qualidade, e que são conhecidos e premiados como um dos melhores cafés especiais do mundo.

Nossos cafés são produzidos com grãos 100% arábica, com as variedades Bourbon vermelho e amarelo.

Todos os nossos cafés são classificados como cafés especiais, pois são cultivados acima de 1200m de altitude, e só selecionamos os cafés com notas superior a 85 pontos.

COLHEITA SELETIVA

O café é um fruto não-climatérico, isto é, diferentemente da banana, ele não amadurece após colhido. Com isso, é obrigatório que se realize a colheita em seu ponto ideal de maturação, denominado “café cereja”, nomenclatura utilizada devido à semelhança física com a cereja. O café verde (não maduro) é considerado defeito e traz um resultado adstringente na xícara. Os cafés classificados como “especiais” não possuem grãos verdes, apenas frutos maduros e sem defeitos.

A colheita é realizada em intervalos de semanas. Apenas os grãos maduros são colhidos um a um e colocados em cestos ou sobre tecido estendido sob as árvores.

Torrefação

O café necessita obrigatoriamente ser torrado para consumo, que consiste em submeter os grãos à elevada temperatura, deixando-os com umidade de 3%. Esta fase é determinante na característica final da bebida. O grau de torra é responsável pelo desenvolvimento do aroma e do sabor da bebida, evidenciando ou escondendo inúmeras propriedades dos grãos.

Depois de torrado, o café continua liberando gases (dióxido de carbono), daí a necessidade de passar por desgaseificação. Por isso, nossas embalagens possuem válvulas para liberação do gás. É importante que o grão seja embalado e protegido da luz, da umidade e do oxigênio, para que os óleos saturados do grão não sejam oxidados.

O processo de torra artesanal, no torrador Probat, garante um alto padrão de qualidade aos nossos cafés.

Seu café

Todos os franqueados e colaboradores são treinados para promover a melhor experiência aos nossos clientes, pois valorizamos todos os processos do pé à xícara, para proporcionar cafés especiais para pessoas especiais.